domingo, 20 de agosto de 2017

Mudanças


Tudo mudou. Tudo mudou e eu não mudei nada. Ou nada teria mudado, e eu mudei tudo em mim? Não importa. Mudou, a menina e o mundo.


Estou perdida, muito perdida, naquele ponto em que nenhum caminho e todos são certos, para quem não sabe onde quer chegar, qualquer caminho serve...

Sei apenas que não quero ficar onde estou.

Não quero, não posso, parar neste ponto que não me satisfaz. De maneira alguma quero menosprezar aqueles para os quais este ponto é excelente, mas simplesmente não funcionou pra mim.

Preciso de MAIS. Preciso e posso ter. Eu sei que sou capaz de ir mais longe.

Mas qual "mais"? Mais amor? Mais respeito? Mais utilizade e propósito? Mais confiança e determinação?

MAIS.

A começar de dentro pra fora:

Comer melhor
Beber mais água
Fazer exercício físico
Dormir mais e melhor

Estudar, escolher o que estudar e estudá-lo com afinco

Mestrado? No país? No Reino Unido? França?

Outra graduação? Qual? Como? Quando? Por que?

Plantar! Uma horta, um pomar <3

E o amor? A o amor.... preciso de um amor avassalador, no qual eu me sinta única...

E segue o show...

terça-feira, 14 de junho de 2016

Chá comigo



Eu não via graça em chá. Meu negócio sempre foi leite morno, com chocolate em casa e com café na casa da vovó, imitando o meu avô, que amava café.

Mas quando aos 16 anos fui de intercâmbio pro sul da França....todo mundo lá amava chá! E ninguém toma uma xicrinha não, é tipo o nosso pote de sucrilhos sabe? e tipo umas 3 vezes no dia! Café da manhã, lanche e muita gente ainda toma um pouco antes de dormir.

E depois de uns meses lá, nos quais engordei bastante, resolvi adotar o hábito para emagrecer um pouco... De fato emagreci um cadim, mas muito mais que isso...passei a entender a importância da tigela de chá.

Não é só a bebida da refeição, é quentinho, o que no frio dos Alpes faz muita diferença. E as pessoas sempre oferecem fazer um chá pras outras pessoas quando vão fazer o próprio. Aí senta todo mundo na mesa/ sofá e toma o chá quentinho feito com amor.

Na casa que eu morei, as tigelinhas vinham da cozinha numa bandeja redonda. O saquinho do chá também é redondo. É um chá um pouco mais forte e no café da manhã costuma ser acompanhado de torradinhas com manteiga e biscoitinhos estilo maizena.

O chá é o carinho francês. Porque o vinho, o queijo e o pão podem ser o social, a amizade, até a festa ou a intimidade....mas o chá é o carinho.

Quando voltei continuei bebendo chá como um hábito mesmo.

E depois de 5 anos, quando fui passar o Natal da "minha" casa do sul da França, e cheguei cansada e com frio, fui direto pro banho. Quando saí, a minha tigela de chá quentinho já estava na mesa me esperando, quase adivinhando quanto tempo eu demoraria. Ali, longe da minha família no Brasil, longe dos amigos de infância, passando o Natal do outro lado do oceano, quando vi a tigela de chá e o vaporzinho saindo dela, tive a certeza que estava em casa, passando o Natal em família.


sábado, 16 de abril de 2016

Estudar


Estudar é uma das coisas mais difíceis e ao mesmo tempo mais fáceis que já fiz.

Eu amo estudar, mas também odeio estudar. Odeio ficar em casa estudando enquanto todos estão se divertindo em algum show. Mas amo saber que é fruto do meu esforço e estudo o conhecimento que construo, o emprego que tenho, a vaga que conquistei.

Odeio quando as pessoas não entendem que eu preciso estudar e repetem que "já passei", como se não pudesse sonhar mais alto...

Amo aqueles que me afirmam com carinho que posso ir mais longe, que estarão ao meu lado, que abrem seus livros na mesa em frente e me ajudam a continuar.

Para aqueles que dizem que vão dar todo o apoio.... e depois não tem paciência quando digo que estou estudando e não posso simplesmente fechar o livro na metade do parágrafo... vocês não fazem parte dessa luta, nem da sua futura vitória.

Para quem quer voltar a estudar, acredite em você. Saiba que temos, todos nós, o poder de mudar nossos destinos. Tenha força e não desista.

quinta-feira, 14 de abril de 2016

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Coisas de hoje


Tenho pensado tanto na vida, na vida e no futuro.
Tenho pensado na alegria dos dias corridos do mundo.
Tenho pensado, sonhado acordada com dias mais azuis.
Dias de corrida só por correr, são dias assim cheios de luz.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Fresta azul


Felicidade é acordar com o galo cantando na manhã ensolarada, e poder ficar curtindo uma preguiça gostosa de domingo na cama. É ver pela fresta da velha janela de madeira que o céu está azul turquesa. 
Felicidade é acordar de mansinho do sonho bom. Sorrindo um sorriso bobo de quem acordou pra descobrir que o sonho continua ali do lado, dormindo quietinho no mesmo travesseiro, e acordar com beijinhos apaixonados, quem com a felicidade amanheceu.

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Acampamento


O fogo laranja pipoca
O cavaquinho repica ao fundo
Valeu a pena toda a demora
O sono mais puro do mundo

domingo, 13 de julho de 2014

Seleção

Primeiro a gente decide que merece muito respeito
E que devemos sempre respeitar os outros
E quando percebemos que não respeitam a gente
É melhor ir embora de vez
Me envolvi com gente de bem
Amigos recentes, amigos antigos
E por mais que me pareça impossível
Preciso de um novo funil
Há nessa penca de amigos...alguns que só são da onça
Quem prefere me ver caindo
Quem não me quer bem
Então passo a régua aqui mesmo
Nesse estranho momento de encerramento
E quem torce contra e faz fofoca
Não faz falta nem deixa saudades
É estranho, nunca pensei que seria necessário
Mas conto com o recomeço
Com uma melhor seleção...e dessa vez não falo da do Brasil

terça-feira, 13 de maio de 2014

Preto

Pingou o nanquim preto em meu peito
Sem nenhuma piedade
E a tinta escorreu fria
Manchando para sempre seu rastro
Fui traçada,do arfar entrecortado do seio
Às pernas entreabertas cheias de verdade
Partida ao meio pela linha torta
Como um espelho quebrado

quinta-feira, 8 de maio de 2014

Só naquele exato segundo

Sinto saudade. Sinto saudade o tempo todo. Mesmo que eu goste muito do presente, sinto saudade do que vivi, do que ficou, do que fomos, se é que deixamos de ser. Eu sinto falta daqueles momentos em que o mundo parecia parar de girar, e eu podia escutar meu coração bombeando sangue desesperadamente em minhas veias, enquanto respirava com gosto, fazendo o peito inflar. Sinto muita falta de olhar por aquela fresta entre nós e ver as minhas costelas subindo como uma sanfona em noite de festa. Eu sinto falta da nossa loucura sem palavras, sinto falta do carinho. A, talvez seja disso a minha maior saudade, do carinho. Das mãos de levinho em meus ombros. É, posso viver sem todo o resto, posso mesmo não querendo, afinal quando um não quer..., mas o carinho...a cada dia me parte o coração, não contar com as suas mãos nas minhas costas. É que é só ali, naquele segundo exato em que a ponta dos deus dedos tocava a minha pele, que a solidão desaparecia e eu podia descansar de verdade.